Lolonet

TURISMO

 

 Lolô percebeu que os seus empreendimentos – como os autódromos, estádios tinham a sua utilização limitada à temporada de competições, permanecendo ociosos no restante  - gerando custos de manutenção - que os inviabilizavam a curto prazo de tempo. 

A alternativa encontrada para viabilizá-los foi que, em seus projetos, o turismo seria o equipamento de apoio principal, englobando atividades como o comércio e o lazer. O turismo se juntava então à funcionalidade de qualquer empreendimento realizado por Lolô. Um grande núcleo de atração – como uma pista de fórmula 1 – seria privilegiada por moradias de alto nível, com segurança absoluta, dentro de um Resort, com campo de Golfe, um Centro Hípico completo, com um complexo independente de clínica de diagnóstico, com hotéis, pousadas, piscinas, canchas de Tênis, e uma administração Global de todo o conjunto, prevendo o detalhado controle e arrecadação de todos os benefícios, diretos e indiretos.

O empreendimento do autódromo de Jacarepaguá, de 1966, tinha uma estrutura multifuncional, pioneira no Brasil, que chamou a atenção de investidores, tanto no Brasil como no estrangeiro. Além de ofertar o que se tinha de melhor em complexos turísticos, Lolô desenvolveu um núcleo de serviços - terceirizados - compatíveis com a modalidade automobilística que agregava o lazer como atividade de apoio. Assim, o autódromo que oferecia assistência mecânica e pistas para competições, também disponibilizava área para esportes náuticos - aproveitando-se da notável região da Barra da Tijuca – e outros, como quadras de tênis e vôlei; oferecia ainda serviços burocráticos, como despachantes e até auto-escolas. O autódromo era um empreendimento que funcionava o ano todo.

A partir dessa idealização, Lolô foi contratado, em 1969, a construir espaços para o turismo de esportes na Europa. Os autódromos de Estoril, Luanda e os complexos turísticos de Vila Moura e Pena Furada eram empreendimentos voltados para o retorno e lucratividade do investimento em curto prazo. Para isso, Lolô formou pacotes de serviços que atendiam às Agências Americanas e Européias, com condições de receber todo o tipo de turista; vendendo acomodações e garantindo uma freqüência aos 360 dias do ano. Os pacotes turísticos tinham maior permanência por dar aos turistas uma gama de atrações esportivas, de negócios e saúde:

· Natação, pesca, passeios de embarcações, equitação, pólo, tênis, dança e flecha, etc,

· Restaurantes, petiscarias...

· Clínica de repouso, Campo de Golfe, Pousada, Centro de Convenções, Centro de Gastronomia Típica..

· Comércio de Artesanato Típico, Museu de Cera (homenageando todas as personalidades do Século XX), um grande Aquário com todas as espécies de peixes de rio.

 

O objetivo dessa estrutura era a formação de um complexo que se caracterizasse por oferecer espaços completos para convenções e eventos, bem como a prática de esportes de caráter oficiais e internacionais, descanso e lazer, com o apoio específicos de uma cadeia internacional de hotelaria e derivados de World Health Center Internacional. Ofereciam ainda espaços para associações internacionais das Casas de Congressos, de acordo com os padrões da “EUROPEAN FEDERATION CONFERENCE OF TOWS” (Federação Européia de Conferência de Cidades) e da “ICCA” INTERNATIONAL CONGRESS AND CONVENTION ASSOCIATION (Associação Internacional de Congressos e Convenções), que promovem congressos oficiais em qualquer lugar solicitado de nível internacional.

Afora o setor de congressos, Lolô sempre atraiu para os seus projetos o setor de viagens (pacotes), que cultiva o turismo como indústria na formação de eventos, competições, lazer e férias, etc., sob as normas da UNION OF INTERNATIONAL ASSOCIATIONS (União de Associações Internacionais).      

O turismo é um intercâmbio indispensável de relações e de conhecimento, e Lolô utiliza, desde os seus primeiros trabalhos, o efeito dinâmico proporcionado pelo turismo para o desenvolvimento dos outros setores da economia. O que, aliás, a O.N.U. por diversas vezes, recomenda por meio de seus departamentos especializados, dar prioridade ao turismo, por considera-lo uma importante fonte direta de recursos para os países.

 

 

 

Não são muitas as regiões que ofereceram todo o conjunto de condições consideradas mínimas para que o Turismo possa desempenhar funções relevantes no setor estratégico da economia, promovendo um desenvolvimento auto-sustentado. O Paraná se encaixa perfeitamente.

Ilha do Mel, Pontal do Sul; o centro (prudentópolis) e a costa leste (foz do Iguaçu, guaíra) são notáveis exemplos do desperdício que nos acompanham a décadas. 

As novas circunstâncias econômicas e sociais têm contribuído para a evolução e intensificação do Turismo. Ele tem levado a diversas regiões e Países divisas capazes de compensar uma balança de pagamento e manter o prestígio da moeda. Sem contar a intensificação da prestação de serviços, aproveitamento de zonas e lugares improdutivos, como é o nosso caso.

 

 

Lolonet portal lolô projetos fundação

 

   

 

nós | contato | mapa do site

© 2004 Tradiz